Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Por que você me incomoda tanto?

por Maria Silvia Orlovas - morlovas@terra.com.br


O incômodo nasce de uma irritação com situações e coisas que não conseguimos controlar. Pessoas que nos perturbam normalmente ferem nossas concepções sobre a vida, amor, relacionamentos ou sua simples conduta na vida. O que essas pessoas fazem nos fere porque vai contra nossos princípios, mas não devemos simplesmente taxá-las de inimigas, porque não é bem assim que as coisas acontecem. Muitas vezes essas pessoas que nos incomodam além do razoável são exatamente as pessoas que somos obrigados a conviver diariamente.

Pode ser que alguém que incomode você seja o seu namorado, seu filho, um colega de trabalho ou até mesmo sua sogra, como é amplamente comentado em verso e prosa.
A sogra parece ser o grande vilão dos relacionamentos estáveis, porque não é um parente escolhido, mas agregado pelo laço matrimonial. Vamos dizer que não é uma escolha. Mas afinal qual laço é escolhido?
Por acaso podemos escolher o temperamento ou atitudes de um filho?
Podemos mudar as escolhas de um irmão?
Podemos de alguma forma alterar o humor do nosso marido ou esposa?

Para a maioria deste tipo de pergunta, a resposta é não, pois não temos em nossas mãos ferramentas para alterar o comportamento das pessoas que nos irritam. E em geral, essa irritação torna-se o ponto central de nossos problemas porque desencadeia uma série de ações e pensamentos contrários e um desejo constante de mudar a forma dessa pessoa agir e de principalmente nos tratar.
Dessa forma, ficamos reféns das atitudes do outro. Passamos a ser reagentes do destino com quase nenhum controle sobre nossas experiências da vida. E quando alguém nos diz que temos que tomar as rédeas do destino é impossível não pensar que essa função não nos cabe. Por mais que tenhamos energia, humor, otimismo e força interior não nos sentimos capazes de lutar contra essa impotência frente às ações do outro.
Rezar para essa situação, nem pensar... porque quase sempre sentimos raiva daquilo que enfrentamos; podemos até compreender a imaturidade do outro, ou mesmo a ignorância, mas frente aos maus tratos que recebemos não conseguimos fazer prontamente como Mestre Jesus, há mais de dois mil anos nos ensinou: “Oferecer a outra face”...
E, afinal, para que faríamos isso se de nada adiantaria?

Trabalhando com Vidas Passadas há mais de dez anos aprendi muitas coisas interessantes, algumas nem tanto, mas verdadeiras. A primeira questão que se aplica a este aspecto de incômodo ou irritação com pessoas próximas é a constatação que são ligações kármicas, que permanecerão em nossas vidas até que tenhamos nos libertado da energia acumulada entre nós participantes....
Mas como fazer isso, como libertar alguém do nosso desconforto se a outra pessoa ainda não despertou para a necessidade de mudar?

De fato, devo concordar que não é uma tarefa fácil se libertar do incômodo de uma convivência difícil, mas devemos pelo menos tentar tomar as rédeas da situação. Não podemos durante uma vida inteira apenas reagir às agressões e desafetos. Podemos tentar nos conduzir de uma forma diferente. Claro que casamentos podem ser interrompidos e, na realidade, talvez de todas as relações kármicas sofridas, seja essa a condição mais fácil de terminar. Porque se não terminamos nos harmonizando com o parceiro podemos nos afastar fisicamente.
Todos sabemos que guardar mágoas é prejudicial à saúde e a condução de nossas vidas. E agora que tanto se comenta sobre a Lei da Atração deve ter ficado claro na cabeça de muitas pessoas que se mantivermos a mente subconsciente focada em dor, em raiva, ou sofrimento será isso que atrairemos para a nossa vida.
Sei, no entanto, que saber racionalmente das atitudes corretas a serem tomadas simplesmente não nos libera, pois não conseguirmos agir de uma forma libertadora quando dentro de nós vibra o desejo de justiça, de vingança ou mágoa e vitimismo que são energias que caminham juntas.
Para uma libertação maior é preciso mesmo oração, meditação e expansão da consciência, e isso é possível, mas é uma conquista que exige de nós constância, determinação e persistência.
Não basta saber intelectualmente, é preciso mudar a energia que carregamos no corpo sutil. Para isso precisamos mudar o foco interior. Inclusive, observar quais atitudes nossas são semelhantes às de nossos parceiros no sofrimento, pois mudando a sua forma de agir mudará tudo a seu redor. Quanto mais luz e vibração amorosa você vibrar mais purificará os resultados da sua vida.

Imagine que você está há muitas vidas tentando resolver determinadas tendências e que nesta vida está tendo acesso a muitas aberturas. Então, não é mais o momento de se sentir vítima de uma situação complicada. Ao contrário, quanto mais consciência você tiver de uma questão mais próxima está a solução.
Tenho observado que à medida que piora uma situação na nossa vida, mais próximos estamos da compreensão do caminho de cura.
A meditação neste caso é fundamental porque você lida diretamente com sua energia purificando e harmonizando sua consciência.

Assim, se você está muito incomodado com alguém, peça em suas orações que Deus limpe você dessa dor. Se for possível, afaste-se fisicamente da pessoa e dê um tempo para você. Porque quando sentimos raiva estamos alimentando tudo de ruim e negativo da situação e muitas vezes atraindo energias pesadas do astral inferior que encontram nessa brecha uma forma de cobrar seus deméritos tornando a situação ainda mais carregada. Se você estiver com raiva, assuma para si mesmo como se sente, pois tenho percebido que muitas pessoas não têm coragem de assumir que sentem raiva. E depois faça algo para limpar. Uma boa caminhada num parque exigindo que seu corpo físico gaste energia e, ao mesmo tempo fazendo uma prece pedindo limpeza, costuma dar ótimos resultados.

Enfim, compreenda que você está lidando com pessoas, mas principalmente com uma vibração que não deve ser mais alimentada. Se você compreender que o outro está agindo de forma ignorante, não vibre da mesma maneira. Escolha pensar diferente, faça um movimento libertador, porque você pode fazer isso. Ao contrário do que você pensa, mesmo as dores de cabeça, tensão nas costas e até dores de estômago causadas por esse tipo de sofrimento podem ser tratadas com meditações ativas.

Tenho pesquisado muito sobre vibração e descobri várias maneiras simples de aliviar a carga emocional que nada mais é do que uma vibração. Podemos, por exemplo, tomar banhos de ervas para aliviar as tensões acumuladas no corpo sutil, orar, rezar, defumar a casa etc. Mas a atitude mais poderosa mesmo é tomar a consciência do nosso compromisso com esta pessoa e ter a coragem de mudar nossa forma de agir.
Como uma vez ouvi de um orientador: “a irritação é uma doença do ego”.
Curando a nós mesmos do sentimento de impotência, ganhamos cada vez mais poder e estaremos vibrando numa espiral positiva, atraindo para nossas vidas mais Amor e Luz. Pode confiar!
 

Hipnoterapia - Terapia Alternativa 

 daniellasergio.terapiaholistica.net